•♥Fotos e Curiosidades♥• 
Apr
26
By: Poleto | Discussion (0)




































Sep
06
By: Pink | Discussion (2)


Em foto da Sociedade de Conservação da Vida Selvagem, o sapo Kihansi, com uma semana de idade, se segura em um clipe de papel. Ele pertence ao zoológico do Bronx, em Nova York, e tem o tamanho de uma joaninha. Encontrado apenas em um desfiladeiro na Tanzânia, a espécie está à beira da extinção.



Aug
13
By: Poleto | Discussion (2)

froggy2.gif



Aug
06
By: Poleto | Discussion (2)

20886_cute-animals-11.jpg



Aug
06
By: Poleto | Discussion (1)

cute_frog.jpg

frog.gif



Jun
11
By: Pink | Discussion (1)

emoticon_amazed.png

Um sapo-cururu sobreviveu depois de ser comido por um cachorro e passar 40 minutos no estômago do animal na Austrália.

A cachorra Bella estava brincando no quintal de sua casa em Bakewell quando engoliu o sapo, segundo o jornal australiano Northern Territory News.

“Eu joguei restos de tortas e pastéis para os cachorros na grama e não percebi que havia um sapo ali. Bella viu o animal e pensou que era uma das tortas”, disse o dono do cachorro, o jogador de rugby Jackson Crews, ao jornal.

“Ela engoliu o sapo inteiro”, afirmou. O cachorro foi levado para um hospital de animais e induzido a vomitar o que tinha comido. No início, apenas as tortas apareceram, mas, depois, o sapo também acabou saindo.

Crews disse que não conseguia acreditar que tanto o cachorro como o sapo haviam sobrevivido ao episódio. O sapo-cururu libera um veneno quando está sob estresse, e cientistas acreditam que vários animais já tenham morrido ao serem intoxicados pelo veneno do anfíbio.

Crews disse que a gula de Bella provavelmente a salvou. “Ela engoliu o sapo inteiro – foi provavelmente por isso que ela sobreviveu”, disse Crews. O sapo foi mantido no hospital de animais.



Jun
06
By: Pink | Discussion (7)

 especies_ameacadas_f_017.jpg
Espécie Albatroz-de- sobrancelha-negra sofre como alvo de barcos pesqueiros

 especies_ameacadas_f_004.jpg
O sapo Flamenguinho, símbolo do Parque Nacional de Itatiaia, entrou na lista de animais ameçados do Ibama

especies_ameacadas_f_005.jpg
Na lista da ICNU de 2007 há mais de 16 mil espécies ameaçadas de extinção; na foto, o jacaré Gavialis gangeticus

  especies_ameacadas_f_009.jpg
Ariranha

 especies_ameacadas_f_010.jpg
O cachorro-vinagre vive no cerrado e em florestas úmidas e está vulnerável na natureza

 especies_ameacadas_f_015.jpg
Quando se vê em perigo, o tatu-bola pode se enrolar todo; bicho está em risco na natureza

 especies_ameacadas_f_024.jpg
A perereca é uma das espécies da mata brasileira ameaçadas; anfíbios correm risco de extinção no mundo todo

especies_ameacadas_f_026.jpg
Orangotangos de Sumatra (foto) e de Bornéu estão criticamente em perigo (lista IUCN), principalmente por perda de habitat

especies_ameacadas_f_022.jpg
Pandas são encontrados livres apenas na China, em áreas montanhosas; espécie está na lista da IUCN



May
28
By: Pink | Discussion (2)

sapos1.jpg



May
23
By: Pink | Discussion (2)

Cadelinha ficou imóvel apra amamentar filhote de gato abandonado em Zamora, cidade da Espanha

mistura_bichos_f_001.jpg

 

Sapo dá uma carona para um ratinho na Índia

 

mistura_bichos_f_002.jpg

 

Macaca abraça cãozinho em feira de troca de animais em Bangladesh

 

mistura_bichos_f_003.jpg

 

Gatinha fêmea toma conta de um dos três pintinhos nascidos em Galícia, região da Espanha

 

 

mistura_bichos_f_004.jpg

 

Filhote de macaco procura piolho em gato em templo na Tailândia

 

mistura_bichos_f_005.jpg

 

Macaco embala canguru sentado em banco de zoológico da Tailândia

 

mistura_bichos_f_006.jpg



Feb
20
By: Pink | Discussion (7)

albumdasemana_18_02_2008_f_007.jpg

Sapão!!

Washington, 18 fev (EFE).- Paleontólogos descobriram em Madagascar um fóssil de um sapo gigante que mede 40,6 centímetros e pesa 4,5 quilogramas, e que viveu há cerca de 70 milhões de anos entre os dinossauros na África, segundo um artigo publicado na revista científica “Proceedings of the National Academy of Science”.

O sapo, com uma couraça grossa e com dentes, foi um anfíbio tão extraordinário que inclusive pode ter chegado a devorar dinossauros recém-nascidos, segundo os paleontólogos.

Por suas características tão excepcionais, os cientistas, liderados pelo paleontólogo David Krause, da Universidade Stony Brook, o denominaram “sapo diabólico”.

Os pesquisadores, que descobriram os ossos do sapo gigante no noroeste de Madagascar, acreditam que este anfíbio pertence à família de sapos que hoje em dia vive na América do Sul.

“Este sapo, se tinha os mesmos costumes que os sapos da mesma família de anfíbios na América do Sul, era bastante voraz. É inclusive possível que tenha devorado mamíferos, rãs menores e, levando em conta seu tamanho, até alguns dinossauros”, explicou Krause.

O paleontólogo encontrou pela primeira vez em 1993 ossos de rã extraordinariamente longos em Madagascar, uma área na qual já havia achado anteriormente fósseis de dinossauros e de crocodilos.

Mas só agora a equipe do cientista conseguiu acumular peças suficientes para reconstruir o sapo, e analisar seu peso e suas medidas.

Os fósseis do sapo datam do fim do período Cretáceo, entre 65 e 70 milhões de anos atrás, aproximadamente.

A equipe de Krause, que deu ao sapo o nome científico de “Beelzebufo ampigna”, trabalha com especialistas da University College de Londres para determinar que sua descoberta não pode ser relacionada com outros sapos da África.

Com suas características, o “Beelzebufo” pode ter sido o maior sapo a ter habitado a face da Terra, afirmam os paleontólogos.

Os cientistas determinaram que o sapo gigante poderia pertencer à família dos rãs ceratophrys da América do Sul.

A descoberta dos vínculos familiares do sapo gigante com anfíbios similares na América do Sul lança uma dúvida sobre as teorias do deslocamento dos continentes, indica Krause.

As teorias indicam que o que hoje é Madagascar foi separado da América do Sul pelo oceano durante a era em que o sapo gigante teria vivido.

“Mas as rãs não podem sobreviver durante muito tempo em água salgada”, disse o paleontólogo.

Por isso, a descoberta dos cientistas prova, segundo Krause, que havia alguma conexão terrestre com a América do Sul naquela época, talvez através da Antártida, então muito mais quente do que é hoje.



Nov
30
By: Pink | Discussion (1)

Espécie típica do sudeste asiático é uma das únicas a fazer isso. Filhotes nasceram em zoológico de Washington, nos Estados Unidos.

Filhotes de sapos de folhas das Ilhas Salomão são tão pequenos que cabem na palma da mão do pesquisado

hihih q fofus